Bacalhôa Buddha Eden


Escrevo este post depois de ter feito a viagem à Tailândia (Bangkok e Krabi). Agora que olho para trás, tudo faz mais sentido. Os símbolos presentes nesta religião, chegam até nós no Bacalhôa Buddha Eden, num passeio que se pode fazer em qualquer altura do ano.
O Jardim do Éden, no Bombarral transporta-te para a cultura budista, com as grandiosas estátuas e fenomenais jardins. Mas isto não chegava se a envolvência e a sequência entre os vários elementos do jardim não fosse perfeita. E é! Situado num pequeno vale, à medida que vamos descobrindo o parque conseguimos desfrutar, aqui e ali, de uma panorâmica geral. Decidimos de um ponto mais alto, para onde queremos ir.
As várias zonas vão surgindo, com transições tranquilas de vegetação verde, passagens de água e caminhos calcetados.
Muitas vezes, só depois de estarmos no meio de uma cultura desconhecida, é que nos perguntamos acerca da simbologia. Por isso achei importante deixar aqui algumas definições da cultura Budista:

  • Budismo é uma religião sem Deus – refere-se a uma forma de viver.
  • O Buda não é o Deus gordo da sorte (essa imagem pertence a outra religião – Xintoísmo). A imagem de Buda é normalmente retratada de três formas (de pé, sentado e reclinado). De pé, com a mão levantada, simboliza o acto de benção e de reafirmação. Sentado, representa a meditação. Por fim, deitado representa o fim da vida de buda.
  • A Flor de Lótus representa a pureza, perfeição, sabedoria, o sol, o renascimento. Nesta religião, a flor é a imagem do coração, que se abre quando se desenvolvem as virtudes do budismo.

 
Visitar o Bacalhôa Buddha Eden
Horário – 9:00 às 18:00
Entrada 3€ (mais 3€ se quiserem fazer o passeio de comboio). Entrada livre até aos 12 anos
Fácil estacionamento

Oeste Português – escapadinha!

Olá a todos,

Vou baptizar o meu blog com uma pequena viagem que fiz agora em Abril.

Eu e a Ana, já o ano passado tínhamos visitado esta zona, mas achamos tão bonito que decidimos “quase” repetir. Desta vez, íamos pegar mais no carro e fazer uns quilómetros para conhecer a zona do Oeste. Os nossos destinos foram Fátima, Grutas da Serra de Mira de Aire, Porto de Mós, Alcobaça, Nazaré, S. Martinho do Porto, Foz do Arelho, Óbidos, Peniche e por fim, Bombarral para conhecer o Bacalhôa Buddha Eden. Parecem muitos destinos, mas são bastante próximos uns dos outros. Cada um com algo especial para se ver.

Fizemos este percurso em três dias. Em Fátima conseguimos andar um pouco pelo centro e junto ao Santuário, que por esses dias estava em preparação para o 13 de Maio, nas Comemorações do 99º ano das aparições. É o terceiro maior santuário do mundo e um lugar muito tranquilo para se visitar. Depois de almoço arrancámos para as Grutas de Mira d’Aire. Um lugar que também aguardava visitar com grande expectativa. Nestas viagens aproveitámos para viajar pelas estradas nacionais, que permitem parar para tirar uma fotografia ou mesmo desfrutar da paisagem.

A Grutas estão preparadas para receber visitantes em inglês ou francês. No início da visita guiada, que se realiza de hora à hora, é feito um enquadramento geológico e histórico das grutas. Um apresentação de cerca de 15 minutos. Depois disso, a visita é feita com a presença de um guia, que vai dando explicações nos locais mais importantes. Para uma confortável visita, não é necessário nenhum equipamento especial. Apenas a predisposição para levar umas pingas de água na cabeça de vez em quando. Não é um local frio e não há escaladas nem locais técnicos para fazer. Estão preparadas para visitas com crianças. Através da visita ficamos a conhecer o local que tem 11 km de galerias e túneis. Claro que só se fazem as partes principais. No fim, subimos de elevador até ao nosso mundo.

Depois deste passeio subterrâneo, encaminhámo-nos para a Nazaré, onde íamos dormir. Pelo caminho passámos por Porto de Mós, que é uma vila medieval com um castelo. Depois fomos por Alcobaça. Não visitámos o Mosteiro, apenas a Igreja. A razão de termos vindo por esta vila, foi essencialmente gastronómica, para nos deliciarmos com as Cornucópias da Pastelaria Alcôa. Um verdadeiro pecado! Uma massa estaladiça com um doce de ovos de bradar aos céus. Realmente muito bom.

Chegámos à Nazaré ao fim da tarde, ainda o sol não se tinha posto. Ficamos a apreciar a paisagem. Estava na expectativa de observar as ondas gigantes, mas nem vê-las. Estava um fim de tarde calmo, sem muito vento. Como nós, estavam os surfistas, acampados e a beber um chá quente depois de um dia no mar. Aproveitei para fazer uns vídeos e tirar umas fotos, enquanto esperávamos pela hora de jantar.

Para jantar fomos à Casa Pires. O manjar estava muito bom. Escolhemos arroz de marisco e o serviço foi impecável. Para dormir tínhamos reservado o Hotel Oceano, que está muito bem localizado. Tínhamos escolhido este porque era um hotel bem localizado na praia da Nazaré. Só precisávamos mesmo de dormir e pequeno almoço. O hotel até foi uma surpresa, pois tinha sido renovado à pouco tempo. Tanto o atendimento como os equipamentos estavam impecáveis.

No dia seguinte de manhã, avançamos S. Martinho do Porto e Foz do Arelho. Esta zona é realmente muito bonita. Por entre as falésias esculpidas pelo mar vão surgindo estas vilas piscatórias, que dão abrigo aos barcos de pesca. Hoje, zonas de praia, são muito bonitas de visitar e aproveitar a paisagem. Um detalhe muito importante é fazer esta ligação pela “estrada atlântica”, onde nos apercebemos da bela da zona.

O nosso destino era Peniche, portanto a caminho ficava Óbidos. Uma breve paragem para contemplar o castelo e apreciar uma ginjnha em copo de chocolate. Óbidos permite um belo passeio a pé. Tem muitas lojas para visitar e até uma igreja transformada em livraria. É possível visitar todo esse centro medieval tranquilamente e observar os turísticas que chegam constantemente em grupos.

Partimos para Peniche. Queríamos aproveitar o resto do dia no Spa do Hotel e ficar a descansar. Ficamos alojados no MH Atlantico Golf, com jantar incluído.

De manhã fomos visitar Peniche. Estivemos no Cabo Carvoeiro, o ponto mais a Oeste da Europa Continental e no Forte de Peniche, onde estiveram os presos políticos da Ditadura. O local está muito degradado, ainda assim conserva um museu e algumas zonas de livre acesso.

O nosso objectivo era visitar ainda o Bacalhôa Buddha Eden, o maior jardim oriental da Europa. Aconselhamos a quem levem almoço, porque é bastante caro almoçar lá. Ainda assim o sítio é lindíssimo, como podem ver pelo video que apresentei.

Entrada nas Grutas de Mira de Aire – 6,60€
Castelo Porto de Mós – 1,5€
Cornucópia na Pastelaria de Alcôa – 2,20€
Bilhete para entrada no Mosteiro – 6€ (ou 15€ se juntar também o Mosteiro da Batalha e Convento de Cristo)
Jantar Casa Pires – 40€
Hotel Oceano – 35€
Copo de chocolate com ginja de Óbidos – 1€
Hotel MH Atlantico Golf c/jantar para dois – 48€
Entrada – 3€ + Almoço Bacalhôa Buddha Eden – 12€ por pessoa