Fim de 2018! Venha 2019

Olá

E terminou 2018! Foi um ano fantástico e obrigado a todos os que participaram nele, incluindo tu, que vês os meus vídeos e passas aqui pelo blog para tirares uma dicas. Aproveito também para referir o excelente input que a Momondo teve no meu trabalho de blogger de viagens, ajudando-me a criar melhor conteúdo, através do programa Open World Traveller.

Deixo-te com mais algumas imagens dos sítios por onde passei e filmei.

Este ano que passou tive como pano de fundo o verde dos Açores, a costa íngreme de Amalfi, a água azul e cristalina de Samana, o amarelo poderoso do Alentejo e claro, o nosso Porto! Podem ver os restantes vídeos das minhas viagens no canal Youtube (Já subscreveram?)

Como foi o teu ano? Que locais visitaste? A Momondo acompanhou o caminho dos portugueses e o publicou os destinos preferidos dos portugueses em 2018! Dá uma vista de olhos aqui!

Espero que 2019 corra tão bem como 2018!

Venha ele!

#owtravelers #admomondo

Açores, São Miguel

A ideia de fazer uma viagem aos Açores não era urgente. No entanto, a curiosidade aguçou-se! Olhei para o mapa e fazia sentido numa escapadela de quatro dias.

A viagem é rápida, por isso, quando aterras tens a “pica” toda para começar logo a descobrir São Miguel, a única ilha por onde íamos estar estes dias.

Alojamento

Quanto ao alojamento, a Beatriz acolheu-nos na Exclusive Guesthouse Praia de Santos, num antigo bairro de pescadores, mesmo nos arredores de Ponta Delgada. Fiquei deliciado com a decoração e pela amável equipa que nos recebeu. Fica junto à marginal, o que completa o quadro de aconchego. Podes ler mais sobre a estadia aqui.

 

Quanto à nossa viagem

Alugar um carro é imprescindível. Logo depois de pousarmos as malas, saímos disparados para o único local que queríamos visitar antes que o dia terminasse, as Poças de Dona Beija. Estas piscinas de água quente eram o aperitivo do prato principal que nos aguardava nos restantes dias. A entrada custa 4 euros. No entanto, sabem a muito mais e estariam sobrelotadas em qualquer cidade europeia. A temperatura exterior era cerca de 12º, por isso só apetecia estar dentro de água (39º). As várias piscinas tem uma cor preta e alaranjada como podes ver pelas fotos. O preto tem a haver com a cor da rocha e a cor alaranjada devido aos metais que compõem a água, e que cobrem a paisagem por onde passam. Saímos para jantar por volta das 19 horas e voltámos. Era irresistível. O cenário à noite parecia saído de um filme, com as luzes a iluminar apenas o suficiente para se ver a névoa levantada pela evaporação da água.

joao tiago oliveira travel blog Açores 3joao tiago oliveira travel blog Açores 4joao tiago oliveira travel blog Açores 5

Para o dia seguinte tínhamos combinado uma excursão com o Daniel da Turisverde. É um dos guias mais antigos dos Açores. E depois de fazer esta viagem com ele acredito que é um dos que os conhece melhor. A minha opinião sobre os guias locais tem mudado. Tendo essa possibilidade, acho que se fica a conhecer muito melhor um sítio, ao invés de  nos entregarmos orgulhosamente à descoberta de um local por nós próprios.

Fizemos a viagem pela costa sul, em direcção das Furnas. À medida que íamos avançando, iam aparecendo os monumentos e recantos históricos. Lagoa, Água de Pau, Vila Franca do Campo, Ribeira Quente eram as vilas mais pitorescas. Muita da espectacularidade dos Açores está nos seus lindos miradouros. Aquelas paisagens deslumbrantes que surgem nos altos e baixos da ilha. E o Daniel levou-nos a esses sítios fantásticos.

DCIM100MEDIADJI_0193.JPGDCIM100MEDIADJI_0212.JPGjoao tiago oliveira travel blog Açores 9joao tiago oliveira travel blog Açores 8joao tiago oliveira travel blog Açores 6joao tiago oliveira travel blog Açores 10joao tiago oliveira travel blog Açores 13DCIM100MEDIADJI_0258.JPG

Continuámos e inflectimos então para as Furnas para presenciarmos o momento em que as panelas de cozido saem do chão, por volta do meio-dia. Almoçámos no Tony’s, um negócio que já se expandiu para 3 restaurantes. É necessário fazer reserva. Depois de almoço fomos à fábrica de chá Gorreana. Nestes dias, ainda invernosos e frios, sabe bem beber um chá quente. O Daniel explicou-nos o processo de fabrico do mesmo e, a própria fábrica oferece chá verde e preto para experimentares. Sabias que estes dois chás são apanhados da mesma planta? A única diferença está na maturidade das folhas que originam cada um deles.

Mais tarde tentámos fazer uma abordagem à Lagoa do Fogo. As nuvens baixas não permitiram observá-la, prazer que só viríamos a ter no dia seguinte. Ainda assim, fomos percorrer a estrada junto à costa norte: Ribeira Grande, Rabo de Peixe, Calhetas entre outras paisagens maravilhosas. As dicas do Daniel permitiram-nos continuar a descobrir a ilha de uma forma autónoma. Obrigado!

joao tiago oliveira travel blog Açores 2joao tiago oliveira travel blog Açores 7joao tiago oliveira travel blog Açores 11joao tiago oliveira travel blog Açores 12joao tiago oliveira travel blog Açores 17DCIM100MEDIADJI_0519.JPG

Os Açores permitem também explorar o Mar. Acho que vai sempre existir aquele sentimento de incerteza. Será que vamos ver alguma coisa neste mar imenso? Uma baleia? Um cachalote? Uma tartaruga? A Picos de Aventura disponibiliza uma estatística onde se registam os aparecimentos das várias espécies ao longo do ano. No briefing é comunicado que podemos não avistar qualquer espécie. No entanto, a sorte ia estar do nosso lado. Vimos imensos golfinhos comuns, uma espécie residente ao largo da ilha. No total mais de 50, espalhados pelo percurso que fizemos. Ora saltavam, ora brincavam. Valeu a pena ver esta espécie em liberdade, principalmente com a equipa de biólogos que estava connosco no barco, que iam esclarecendo algumas dúvidas e contando detalhes da vida marinha dos Açores.

joao tiago oliveira travel blog Açores 16joao tiago oliveira travel blog Açores 15

Do mar era possível ver que o pico da Lagoa do Fogo estava meio descoberto, o que me levava a acreditar que poderíamos visitá-la de tarde. E assim foi, mas não com plena ausência de nuvens. Conseguiu-se ver a maravilha cratera do vulcão com água. Após uma breve sessão fotográfica, dirigimo-nos para Ponta Delgada, mas fizemos a viagem por Ribeira Grande, onde o Sol se começava a pôr. É a segunda maior cidade de São Miguel e é possível fazer uma caminhada para descobrir alguns dos seus recantos. À noite nada melhor que um passeio pela marginal de Ponta Delgada, onde atracam os Cruzeiros.

DCIM100MEDIADJI_0522.JPG

Acordámos. Só nos restava este dia para ver o resto da ilha, o lado Oeste da Lagoa das Sete Cidades. Ainda não tínhamos vindo para esta zona porque o tempo não tinha andado de feição. Através do site www.spotazores.com é possível ver o estado do tempo de vários locais, pelas imagens das câmaras espalhadas pela ilha. Neste último dia, finalmente podíamos estar descansados, estava bom tempo. Arrancámos logo de manhã em direcção ao que é, para mim, o melhor miradouro de São Miguel, a Boca do Inferno. Deste miradouro é possível ver imensas lagoas (Rasa, Santiago e Sete Cidades) divididas pelo verde dos montes e crateras de vulcões. Uma vista arrebatadora e fantástica. O acesso a este miradouro não é difícil e vale bem o esforço de o encontrar. Fica perto da Lagoa do Canário.

DCIM100MEDIADJI_0578.JPGDCIM100MEDIADJI_0610.JPGDCIM100MEDIADJI_0650.JPGDCIM100MEDIADJI_0466.JPGDCIM100MEDIADJI_0464.JPGDCIM100MEDIADJI_0539.JPGDCIM100MEDIADJI_0258.JPGjoao tiago oliveira travel blog Açores 2joao tiago oliveira travel blog Açores 1

De seguida podes dirigir-te ao miradouro da Vista do Rei, de onde se vê a lagoa das Sete Cidades, com as suas duas cores. E até descer até Sete Cidades, a vila, bem no centro da cratera. Entretanto já se aproximava a hora de almoço e fomos percorrer a costa Oeste/Norte, desde Ferraria até Capelas. No caminho almoçámos em Mosteiros, uma vila piscatória em volta de uma baía.

DCIM100MEDIADJI_0556.JPGDCIM100MEDIADJI_0553.JPGDCIM100MEDIADJI_0547.JPGDCIM100MEDIADJI_0650.JPG

O fim de tarde mereceu um lanche no Café central de Ponta delgada que tem uma óptima pastelaria e onde podes experimentar alguns bolos típicos da ilha como a Queijada de Vila Franca do Campo e as Fofas da Povoação.

Tendo a nossa viagem começado com um excelente aperitivo, não podia ter terminado melhor do que com este doce. Ainda ficaram mais oito ilhas por conhecer. Fica para uma próxima.

Onde almoçar/jantar?

  • O Galego, conhecido pela sua carne, com preço médio para 2 pessoas 30€;
  • Cais 20, para quem gosta de peixe, com preço médio para 2 pessoas 30€
  • Taberna Açor, para petiscos e produtos regionais. Preço médio para 2 pessoas 25€
  • Tony’s, para o cozido das Furnas. Preço médio para 2 pessoas 25€

Alojamento?
Casa Praia de santos, Exclusive Guest house
Para saberes mais consulta www.praiadesantosguesthouse.com

Aluguer de carro?
Plataforma Ryanair tem os melhores preços. Para estes 5 dias pagámos 170€ pelo aluguer de uma Fiat500 com seguro sem franquia, GPS e segundo condutor. O gasóleo ficou por mais 20€

Actividades na ilha

  • Guia turístico – Turisverde, com o Daniel. Pela sua experiência é a escolha mais acertada

Para saberes mais consulta www.turisverde.com

  • Picos de Aventura – É uma das empresas mais conceituadas para actividades em S. Miguel.

Para saberes mais consulta www.picosdeaventura.com

  • Poças Dona Beija – 4€. Se quiseres sair e voltar, pede para te carimbarem o pulso.
  • Plantações de Chá Gorreana – Grátis
  • Uma festa numa vaca – Grátis
  • Queijos regionais no “Rei dos Queijos”, no mercado da Graça em S. Miguel é o sítio ideal para comprares os queijos das várias ilhas.

Se quiseres continuar a seguir as minhas histórias, segue o Instagram, o Facebook e Youtube.
Obrigado

Praia de Santos – Exclusive Guest house

A guest house Praia dos Santos é um excelente local para uma estadia em Ponta Delgada. O serviço personalizado, distancia-nos das habituais cadeias hoteleiras, e faz-nos sentir em casa. O ambiente exclusivo e a decoração cuidada transmite-nos algum do conforto que procuramos quando viajamos.

Situa-se no centro do Bairro de São Roque, antiga zona de pescadores, ao largo da cidade de Ponta Delgada. Em cinco minutos estamos na baixa da cidade, pela marginal e tão rapidamente deslocamo-nos para outro qualquer lado da ilha, dada proximidade com a via rápida.

No entanto, o charme está todo lá dentro. Tem vista para o mar. piscina interior e um ambiente super acolhedor. A decoração é moderna e leve. Tudo parece novo e jovem.

_DSC9985
_DSC9981
_DSC9979
_DSC9976
_DSC9974
_DSC9973
_DSC9971
_DSC9968
_DSC9967
_DSC9966

A Lídia prepara-nos um pequeno almoço regional, com produtos da época. Todos os dias existe algo de novo para experimentar, como diferentes tipos de pão, queijos variados, sumos naturais e doces. Dado o ambiente familiar vamos tirando umas dúvidas sobre a região.

_DSC9952
_DSC9953
_DSC9954
_DSC9955
_DSC9957
_DSC9961
_DSC9962

A minha zona predilecta da casa era a zona comum. Adorei a vista para a piscina com as grandes janelas de vidro que deixavam entrar a luz natural do dia. Mas os quartos também eram maravilhosos: espaçosos, com imensa luz e conforto. Tínhamos espaço para pousar todas as nossas coisas e ainda andar livremente pelo quarto.

De manhã era possível acordar, abrir a janela e olhar para o amanhecer com o mar logo ali tão perto.

Temos de agradecer à Beatriz por nos ter acolhido estes quatro dias em S. Miguel.

www.praiadesantosguesthouse.com