Qual é o teu ideal de férias no teu país?

momondo desafiou-me a escolher o local ideal de férias🏖 em Portugal. Escolhi a cidade de Aveiro (Turismo in Aveiro).
Aveiro é a minha cidade, local onde passei toda a minha juventude e que conheço como a palma da minha mão🙌. Embora sendo uma cidade média, é grande no conteúdo e isso os aveirenses sabem como ninguém. Há tanto que visitar que a tornam um destino ideal para passar uns dias a descobrir os seus recantos.

 

Um dia ideal em Aveiro começa por levantar cedo🏃‍♂️ e experimentar as delícias da Pastelaria Latina ou da Ria Pão, Padaria e Pastelaria , para mim os melhores locais para adoçar a boca logo pela manhã! Depois é preciso queimar algumas calorias e nada melhor do que um passeio a pé junto aos canais da cidade.🏞

Aveiro é conhecido como a Veneza de Portugal. Seguir os seus canais, tanto nos transporta por algumas das atrações de Aveiro, como nos enche os olhos de cor, por exemplo com a passagem dos moliceiros, agora disponíveis para tranquilas viagens pela Ria. Nestas viagens não podemos ficar indiferentes ao canal de S. Roque onde ainda se veem as antigas casas de armazenamento do sal, ao cais do botirão, centro turístico da cidade, ao edifício da capitania de Aveiro ou à arquitetura da fábrica Campos, antiga fábrica de tijolo e telhas. Por falar, em arquitetura🏙, Aveiro é a capital do país de Arte Nova, uma expressão artística do século XX e que equipara os seus edifícios a cidades como Barcelona, Bruxelas, Budapeste, Glasgow, Helsínquia ou Havana. Alguns destes edifícios são hoje hotéis. Tenta reservar alguns pela app da momondo por aqui.

Pela hora de almoço deliciamo-nos com as especialidades gastronómicas🍽 da cidade, como Caldeirada de enguias, Robalo ao Sal ou o Polvo que podes degustar nos restaurantes típicos do centro. É impossível não ficar saciado como um ovo mole como sobremesa. Pela parte da tarde, percorremos a avenida Lourenço Peixinho descobrindo o pequeno comércio, mas com o objetivo de conhecer uma das estações de comboio🚊 mais bonitas de Portugal. Cravada de azulejos pintados🖌 à mão, aqui é possível observar em figuras, a história e personagens de Aveiro, como o mornoto e a peixeira.

O Sal é a vida de Aveiro. Por isso nada melhor que terminar o dia a ver o pôr do Sol🌅 no Cale do Oiro, no meio das salinas, onde para além da deslumbrante vista, é possível tomar banho terapêutico.

 

#admomondo #owtravelers

Uma peça no mundo

Viajar pelo mundo é um dos melhores prazeres que tenho. Refletindo bem sobre essa ideia, há vários fatores que nos podem levar a viajar. Por exemplo, a natureza e a cultura são o que mais me empolga.

O facto de podermos ir a um local e contemplarmos a Natureza e as diferentes culturas, praticamente já só depende da humanidade. Porque ao mesmo tempo que a destroí, também a conserva. Ninguém quer viajar para um local sem beleza natural, em guerra, ou despido de cultura. Por isso, mais do que tudo, o que nos une são as pessoas e a diferença que elas podem fazer pelo mundo.

A Momondo realizou um video inspiracional sobre este tema: How far would you go to bring the world closer together? – The world Piece!

Convido-te a veres e perceberes a visão da @momondo sob o lema da tolerância e desenvolvimento, proporcinando melhores condições a todos para viajar.

 

#owtravelers #admomondo

Visitar Marrakesh em dois dias

Olá,

Marraquexe (ou Marrakech) significa “a cidade de Deus”, dito pelo guia. Neste post vais saber o que fazer nesta cidade desde hoteis, riads, souks, tours. O essencial para quem fica 2 ou 3 dias por aqui ou de passagem em viagem por Marrocos.

Nos dias seguintes, fiz uma tour com a Janka Tours até ao Deserto do Sahara, mas só nos próximos posts falarei da restante viagem!

Em jeito de introdução podes ver o video que realizei para te aguçar a curiosidade sobre este destino fantástico. Podes sempre subscrever o canal! Obrigado

P.S.: O resto da viagem está no Post: Marrocos, a minha primeira viagem fotográfica

Já estava com saudades de fazer uma “grande” viagem. As escapadelas deste Inverno foram boas mas o corpo já estava a ressacar por uma viagem maior.

Gosto de ficar muitos dias fora de casa. Desligo logo a ficha do trabalho, e a “incerteza” apodera-se do nosso dia a dia. E esta viagem foi um verdadeiro sinónimo de incerteza. Eventualmente, a que menos preparei de todas as que já fiz. Por norma, costumo pesquisar imenso, planear os dias ao detalhe. Um grande exercicio de planeamento nos dias que antecedem à viagen. Desta vez não foi assim. Duas horas antes de entrar no avião, abri o Google Trips, baixei o mapa de Marraquexe com as principais atracções da cidade e confiei que ia correr tudo bem.

Em Marraquexe

Os dois dias chegaram perfeitamente. Como é óbvio, mais tempo teria dado oportunidade para conhecer mais, mas penso que chegou para perceber como funciona a cidade. E eu adorei. Já visitei cidades que não deram tanta pica. Talvez fosse das pessoas ou do ambiente, não sei bem, mas Marraquexe incute a vontade de ver mais. Por vezes, estava numa praça qualquer, e metia-me nas ruas só para descobrir o que havia por ali!

Para além das principais atracções, como os jardins de Majorelle, Mesquitas, Madraça, Palácio el Badi, museus etc, a grande paixão da cidade está nos souks. Estes são mercadinhos que inundam a cidade. Vê-se de tudo: ruas de carnes, frutas, legumes, incensos, especiarias, artefactos e tantos outros. Muita da essência de Marrakesh está nesse detalhe, inundando a cidade de cheiros e cores e que traz as pessoas para a rua, como se fosse o sangue que corre em nós!

DICA importante: sempre que te perguntarem se é a primeira vez que estás em Marrocos, diz que não. Os marroquinos estão sempre à procura de um momento para te levarem mais dinheiro pelas coisas.

Se quiseres ver algumas das stories que coloquei durante a viagem, adicionei um destaque da viagem no meu Instagram.

 

João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Pôr do Sol do Café de France
João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Loja de artefactos num Souk

Trocar dinheiro

A moeda oficial é o Dirrã marroquino. Essencialmente, vais precisar deles para entrar nos museus ou em locais mais oficiais. De resto, aceitam Euros. À medida que ia visitando a cidade, fui encontrando várias lojas de câmbio e a mais vantagosa era na praça Jemaa El-Fna, ao lado do restaurante Argana. Este povo lida muito bem com o dinheiro e começa sempre por negociar os preços demasiado altos. Houve casos em que comprei por metade do preço. Se queres comprar lembranças, especiarias, etc tenta não fazê-lo nos primeiros dias. Por exemplo, algumas especiarias e chás são mais baratas nos hipermercados como o Carrefour. Existiu um caso em que o preço aqui era cerca de 10% do que o que encontrei na rua.

Onde Ficar (Riad)

A estadia foi no Riad Zaki, dez minutos a pé da praça Jemaa El-Fna, o ponto “principal” da cidade. O Riad (nome dado aos alojamentos locais de Marrocos) Zaki tem um pessoal super simpático e umas acomodações normais. Não optei por um com piscina (ou tanque) porque sabia que ia ter outras oportunidades para dar uns mergulhos, durante a viagem. Para além disso, estava previsto só regressar ao riad depois de jantar, por isso era algo que não iriamos usufruir.

Os quartos eram grandes e o pequeno almoço era bom. Serviram uns bolos caseiros, o pão típico khobz e uma espécie de panqueca de semolina. A acompanhar existem os doces, sumo de laranja, café…

Os riads são uma excelente opção de alojamento. São locais típicos e aqui, podes aproximar-te ainda mais da cultura marroquina (certamente uma experiência diferente da dos hoteís!). Se quiseres ver alguns videos dos Riads em que fiquei, podes visitar o meu canal de Youtube.

Utiliza este simulador do booking para realizares as tuas reservas. Ao reservar por aqui, estarás a ajudar o blog, sem que pagues um preço mais elevado, ou custos adicionais.



Booking.com

O que visitar

Algo que ainda não tinha referido, foi o facto de ter visitado Marrocos por altura do Ramadão, o que pode dificultar a visita a alguns locais. Existem algumas atracções que fecham mais cedo, ou que não abrem por esta altura. Mesmo os lojistas aproveitam o dia para tirar longas cestas, já que não podem comer ou beber entre as três da manhã e a sete da tarde.

No primeiro dia, saindo do Riad, fui em direcção um dos ex-libris da cidade, a Mesquita Koutobia e o seu minarete. O minarete é a torre da mesma e ninguém pode construir acima deste ponto. A cultura árabe acredita que os minaretes são essenciais para relembrar os crentes que tem que rezar, ou que encontram facilmente um local de culto. Ou seja, alguém que não seja da cidade pode identificar facilmente uma mesquita. Quem não é crente não pode entrar. A única mesquita que se pode visitar em Marrocos está em Casablanca.

João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Mesquita Koutoubia

João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Moulay El Yazid

Atravessei os jardins da mesquita e diriji-me mais para sul, para Moulay El yazid, onde estão os túmulos Saadianos. As entradas as atracções não são caras. O problemas são por vezes algumas filas! Mas nada que impeça a visita.

Logo ali ao lado está o palácio El badi. É engraçado porque à medida que visitamos as atracções, encontram-se os tais souks. Ou seja, em vez de se caminhar entre pontos, parece que se está sempre em visita. Há sempre algo para ver, e isso é muito estimulante. O Palácio El Badi desemboca na praça de Ferblantiers, que é perto do bairro Judeu (que só conhecemos no dia seguinte).

Da praça Ferblantiers pode-se seguir para a praça Jemaa El-Fna. Mas não vás pela avenida Hommane Al Fatouaki. Tem imenso trânsito e os passeios são estreitos. À direita dessa avenida, existe uma rua que tem imenso que ver e percorrer, e muito mais calmamente. É quase toda ela um mercado, cheia de lojas de todos os tipos. No fim, “desagua” na Praça Jemaa El- Fna. Esta é fascinante porque tem de tudo, todo o dia. No entanto, é à noite que ganha ainda mais vida!

João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Praça Jemaa El Fna
João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Praça Jemaa El Fna

 

Segui para os Jardins secretos que foram contruídos à cerca de quatrocentos anos e utilizados por figuras políticas da cidade. São compostos por duas zonas diferentes e tem imensas espécies de árvores e detalhes de arquitetura. É um local ideal para descansar do rebuliço da rua de onde saí.

Depois de almoçar (vê em baixo algumas das opções) dirigi-me para a zona da Mesquita de Ben Youssef.

Cansados destas voltas todas, voltei ao Riad e pela hora de jantar fui ao restaurante Argana! Não deixes de dar um passeio pela praça à noite! 

João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Mesquita Ben Youssef
João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Secret Gardens
João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Praça Jemaa El Fna à noite
João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Banca de comida

No segundo dia estava planeado visitar os jardins de Majorelle logo pela manhã! O percurso a pé faz-se bem desde o centro. Tem que se sair das muralhas da cidade e quando o fazemos, parece que se “entra” noutro local. As avenidas são largas e os edificios são completamente diferentes, e já não se amontoam como no centro.

Ao chegar ao jardim constatei que as filas eram enormes, por isso aconcelho-te que vás o mais cedo possível, e que leves sempre água! Este jardins têm uma colecção de espécies incrível. Veêm-se plantas de todo o mundo e a casa onde viveu Yves St. Lourent. Passei aqui a manhã! De tarde não fiz mais do que andar perdido pela cidade a comprar algumas lembranças. É uma boa cidade para ter perderes! Aqui e ali experimenta-se algo novo. Para quem gosta de fotografia e video é espetacular, porque existe sempre um motivo para disparar!

Como tinha dito anteriormente, voltei ao bairro judeu, que é um local completamente diferente da zona envolvente. É aqui que encontras aquelas pirâmides coloridas (de tinta ou especiarias) que tanto caracterizam as fotografias de Marrocos.

João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Jardins Majorelle
João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Jardins Majorelle
João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Jardins Majorelle

João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Jardins Majorelle

João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Bairro Judeu

 

Onde comer

Comer foi fácil. A cultura gastronómica de Marrocos é semelhante à nossa. Ao contrário do que se possa imaginar, Marrocos tem imensa agricultura e imensa água. Passei por imensos campos agrícolas nos dias seguintes à estadia em Marraquexe. Isso faz com que exista muita diversidade de verduras e vegetais. No entanto, a carne de vaca é mais dificil de encontrar. Como eles dizem, é mais um luxo!

Sendo assim, destaco 2 locais bem diferentes para se poder almoçar ou jantar:

Argana, localizado na praça Jemaa El-fna. A vista do pôr-do-sol sobre a praça é cativante. Adorei estar a jantar calmamente, enquanto assistia ao frenezim lá em baixo. Das varandas do restaurante conseguem-se ver os encantadores de cobras, berberes a dançar e a tocar, tendas agitadas de comida, enfim.

Terrasse des Epices é um restaurante mais distante do centro, mais foi das melhores experiências gastronómicas. Consegue combinar uma decoração mais moderna com a cultura marroquina. O Dj coloca uma música ambiente que proporciona um bom momento gastronómico. Por causa do calor também estão instalados sprays de água para refrescar do intenso calor!

João Tiago Oliveira Marraquexe Marrocos Visitar
Terrace des Epices

Cafe de France está na mesma praça do Argana. Tem uma vista oposta a este último e é um excelente local para passar um fim de tarde, a beber um sumo e observar o movimento lá em baixo, enquanto o sol se punha!

Estas são duas sugestões top. Os menus são compostos por tagines, espetadas, etc. Não é dificil escolher, logo depois de perceber a técnica culinária que utilizam.

 

Estas são algumas das dicas de Maraquexe. Espero voltar, porque adorei a experiência.

Se gostaste deste artigo e do meu trabalho, podes sempre continuar a acompanhar o meu trabalho e próximos posts.

Redes sociais:

www.joaotiagoliveira.com
www.facebook.com/joaotiagoliveira
www.instagram.com/joaotiagoliveira
www.youtube.com/user/joaotiagobemhaja

 

As melhores razões para fazeres o download da App da Momondo

Olá,

Uma das razões porque apaixonei pelo programa de embaixadores da @Momondo é o facto de poder partilhar, com todos, o meu hobbie pelas viagens e realização de videos!

(Se não tens a APP ou pretendes ter com todas as especificações que vou aqui falar, faz o download através do meu link. Este link direcciona-te diretamente à Playstore ou Apple store!)

Nestes dois anos em que pertenço ao programa, a evolução da app foi fantástica. Para ti, que viajas menos ou mais, não interessa! O facto de poderes aceder a fotos inspiradoras, dicas e da parte operacional da app faz com que aumentes a tua probabilidade de viajar

  • Acciona alerta de preços para voos
  • Faz a marcação de voos
  • Descobre a tua melhor rota
  • Descobre hoteis em lugares espantosos e aos melhores preços
  • Mede a tua mala com a camera do telemóvel e diz-te imediatamente em que companhias aéreas a autorizam

Para te ilucidar de todas as potencialidades da APP, fiz um pequeno video. Espero que gostes e se puderes subscreve o meu canal de Youtube também!

Obrigado e boas viagens!!

#owtravelers #admomondo

De ON para OFF, dois destinos para desligar com a Momondo!

Quantas vezes nos fartamos da rotina e só queremos desaparecer, ficar uns momentos a sós sem séries, tv, telemóvel, redes sociais enfim: Dar mais tempo à família, filhos e outras coisas que, por vezes, perdem relevância. Todos precisamos de um detox digital para nos alhearmos do mundo e voltarmos a nós (e o nosso polegar também precisa de descansar).

A Momondo desafiou-me a eleger dois destinos em que te podes alhear de tudo – Sem tv, sem telemóvel – só tu e o mundo.

Os dois sítios para onde viajei, e mais me senti esse alheamento foram:

1º Marrocos. Impossível ficar ligado quando existem campos e montanhas infinitas sem rede! Cheguei a viajar dias inteiros, contemplando apenas as paisagens deste belo país. No deserto do Sahara é que foi mesmo um retiro espiritual! Só nós e as dunas. A animação no acampamento fez-nos perceber que, também é delicioso acabar o dia ao som dos tambores dos berberes!

2º Cuba. É outro destino onde é impossível ter internet. Em Havana por exemplo, os cubanos juntam-se nas praças de wifi para aceder à internet. As ligações são tão fracas que mais vale mesmo a pena esquecer. Concentra-te antes em andar pelas calles e beber uns mojitos pelos bares cubanos!

Por isso, se te sentiste inspirado para desligar do mundo corre para Momondo e pesquisa um voo ou hotel onde possas planear a tua viagem e desfrutar de um detox digital!

@momondo, #owtravelers e #admomondo